Configurações de Acessibilidade

Tamanho do texto

Opções de cor

Monocromático Cor suave Escuro

Ferramentas de leitura

isolamento Régua

A speaker at the accountability panel at the GIJC. Image: Ellen Lindqvist for GIJN

Artigos

Temas

Mudanças Climáticas: responsabilizando o governo e a indústria

Leia este artigo em

À medida que as mudanças climáticas afetam comunidades em todo o mundo sob a forma de incêndios florestais, calor recorde, inundações mortais e secas devastadoras, há uma urgência crescente na investigação das causas e impactos.

Quatro jornalistas ambientais — incluindo Damian Carrington, do Guardian, e a repórter investigativa independente Amy Westervelt — aconselharam os participantes da 13ª Conferência Global de Jornalismo Investigativo (#GIJC23) sobre como podem responsabilizar os setores público e privado.

Deborah Nelson, jornalista ganhadora do prêmio Pulitzer e professora do Howard Center for Investigative Journalism, da Universidade de Maryland, moderou o painel.

Investigando a Indústria do Petróleo

O registo documental e os recursos disponíveis para investigar as empresas petrolíferas podem variar, disse Carrington, editor ambiental do Guardian, dependendo se são operações estatais ou de empresas internacionais.

Reportar sobre as empresas petrolíferas nacionais é mais difícil, acrescentou, porque as suas operações são muitas vezes extremamente opacas. “A maioria deles não tem acionistas, portanto, não publicam muita informação”, explicou. “E nesses países é extremamente difícil fazer reportagens. Elas são um livro bem em branco”.

No entanto, para as empresas petrolíferas internacionais com ações na bolsa, existem formas mais acessíveis de reunir informações, desde os registos financeiros das empresas até à divulgação de ações judiciais.

Outra tática que está se tornando cada vez mais importante para reportar sobre os impactos da indústria dos combustíveis fósseis – seja ela privada ou estatal – é a utilização de dados de imagens de satélite. Por exemplo, os satélites tornaram-se uma ferramenta inestimável na investigação das emissões de metano pelas empresas de combustíveis fósseis, sejam elas acidentais ou intencionais. “De certa forma, é um olho no céu e as empresas de gás não podem se esconder dele”, disse Carrington.

Os denunciantes também podem ser uma opção ao reportar sobre a indústria de combustíveis fósseis, mas muitas vezes é difícil encontrá-los. “Nunca houve de fato um denunciante de alto escalão na indústria de petróleo e gás”, observou Carrington. “Eles são extremamente bem pagos. Então, por que iriam querer perder isso?”

Em uma área onde pode ser difícil encontrar denunciantes com profundos laços com a indústria, os repórteres podem encontrar fontes em um lugar inesperado: empresas de relações públicas contratadas por empresas de petróleo e gás. Às vezes, eles estão ansiosos para falar, disse Amy Westervelt, que fez o podcast investigativo Drilled.

“O pessoal de relações públicas, em particular, é em sua maioria jornalistas criativos e frustrados, por isso querem que você goste deles. Sempre que converso com denunciantes de relações públicas em particular, eles querem absolvição”, disse ela.

Trilha de papel

Westervelt também enfatizou a importância dos documentos primários e incentivou os repórteres a pensar de forma criativa e a procurar fontes não convencionais, como os calendários de políticos que possam se reunir com executivos do petróleo, pedidos de patentes empresariais e documentos de empresas armazenados em arquivos universitários.

Os arquivos, em particular, são “um tesouro incrível de como as empresas vêm pensando sobre essas coisas há muito tempo”, disse ela.

Da mesma forma, os pedidos de patente podem fornecer informações importantes sobre os planos da indústria dos combustíveis fósseis — e sobre o que sabem, mas que podem não querer admitir publicamente. Nas décadas de 1980 e 1990, por exemplo, várias empresas petrolíferas solicitaram patentes para o equipamento necessário para perfurar petróleo em um futuro Ártico em derretimento, disse ela.

Alguns membros do painel salientaram que os jornalistas climáticos não servem apenas como vigilantes da indústria – eles também são responsáveis pela responsabilização do setor público, garantindo que os governos estão protegendo o ambiente e alocando fundos de ação climática de forma equitativa às pessoas afetadas pelo seu impacto.

Mas todos os especialistas enfatizaram a importância desta área de cobertura; e disse que o momento de responsabilizar a indústria é agora.

“Esta é provavelmente a indústria mais lucrativa da história da humanidade. E eles meio que governaram o mundo durante o último século”, destacou Carrington. Mas, acrescentou, não será fácil. “Eles não vão desistir sem lutar”.

Republique nossos artigos gratuitamente, online ou impressos, sob uma licença Creative Commons.

Repubique este artigo


Material from GIJN’s website is generally available for republication under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International license. Images usually are published under a different license, so we advise you to use alternatives or contact us regarding permission. Here are our full terms for republication. You must credit the author, link to the original story, and name GIJN as the first publisher. For any queries or to send us a courtesy republication note, write to hello@gijn.org.

Leia em seguida

Ferramentas e dicas para reportagens GIJC23

Investigando – e abraçando – a revolução da IA

Durante o primeiro dia da GIJC23, participantes ouviram sobre como a tecnologia pode ajudar as redações, como as investigações revelaram o impacto da IA nas comunidades e como os jornalistas podem ir além das narrativas de exagero ou desespero com essa tecnologia.

GIJC23

Ameaçados, mas unidos: Destaques da GIJC23

Com o fim da Conferência Global de Jornalismo Investigativo em Gotemburgo, na Suécia, ficou claro que o jornalismo investigativo se tornou mais forte e que os repórteres estão mais unidos do que nunca.