Configurações de Acessibilidade

Tamanho do texto

Opções de cor

Monocromático Cor suave Escuro

Ferramentas de leitura

isolamento Régua

Image: Shutterstock, Thapana Onphalai

Recursos

Temas

GIJN lança ferramenta de avaliação de segurança para jornalistas

Leia este artigo em

English

Ferramenta de Avaliação de Segurança para Jornalistas

Imagem: Shutterstock, Thapana Onphalai

Cada vez mais, jornalistas e suas fontes em todo o mundo estão sendo hackeados, assediados, vigiados e atacados por pessoas que foram alvos de reportagens, organizações criminosas, governos e representantes agindo em nome de autocratas e oligarcas.

Em resposta, a GIJN – com o apoio generoso da Fundação Ford – tem o orgulho de lançar um guia de avaliação de segurança inédito para grupos de jornalismo vigilante na Conferência Global de Jornalismo Investigativo 2021: a Ferramenta de Avaliação de Segurança do Jornalista (JSAT, na sigla em inglês).

Adaptada por especialistas em segurança do programa BUILD da Fundação Ford a partir de uma ferramenta de segurança cibernética que eles desenvolveram para proteger ONGs, a JSAT é uma ferramenta de auto avaliação gratuita, baseada em perguntas, que oferece soluções práticas adaptadas ao perfil e vulnerabilidades de cada redação. O questionário leva cerca de uma hora para ser concluído e é seguido por um diagnóstico instantâneo da segurança e resiliência digital e física de uma organização.

GIJC21 logoComo os ataques e violações agora vêm de todas as direções – das identidades digitais dos repórteres às comunicações com fontes, bem como das ruas – as recomendações para amenização de risco a seguir falam sobre documentação, política, risco emocional, treinamento, viagem, dados, mensagens e segurança física.  A avaliação é projetada para necessidades de repórteres no mundo real e inclui modelos de ameaças, ferramentas de criptografia de código aberto amigáveis ​​e explicações de “por que recomendamos isso”.

A JSAT foi lançada em um workshop de segurança para jornalismo durante a #GIJC21 e é um dos quatro principais guias lançados durante a conferência online. Outros guias cobrem crime organizado, orientações para blindar suas histórias investigativas e recursos para a criação de unidades de vídeo para redações pequenas.

“A JSAT oferece uma visão holística sobre a proteção do trabalho do jornalista”, diz a especialista em segurança da informação Runa Sandvik – co-criadora da ferramenta. “Portanto, em vez de ‘apenas’ se concentrar, digamos, na segurança física em uma situação de alto risco, a ferramenta também levará em conta as formas de proteger dados e comunicações”.

Com o assédio online em alta – especialmente de mulheres jornalistas e freelancers – e a vigilância digital em uma nova área de crise, Sandvik diz que os jornalistas, em particular, precisam de um roteiro acessível para melhorar a segurança em todos os níveis.

Mas a ferramenta, ela enfatiza, funciona melhor como uma solução para equipe.

Runa Sandvik profile picture, GIJC21

A JSAT fornece uma visão “holística” da segurança do jornalismo, de acordo com Runa Sandvik da Fundação Ford. Imagem, cortesia, Sandvik

“Incentivamos fortemente os jornalistas a discutirem a ferramenta JSAT com seus editores, TI e equipe de segurança”, afirma Sandvik. “Existem muitas ferramentas que examinam como um indivíduo pode melhorar sua própria segurança. O objetivo da ferramenta JSAT é garantir que a organização também possa aumentar seu nível de proteção”.

“Agradecemos ao inovador programa BUILD da Fundação Ford, que forneceu a experiência e o suporte para fazer isso acontecer”, observa David E. Kaplan, diretor executivo da GIJN.  “Esta é uma importante contribuição para a construção de resiliência em meios de comunicação independentes em todo o mundo”. A equipe da Fundação Ford inclui Matt Hansen, Matt Mitchell e Runa Sandvik e, do lado da GIJN, Anne Koch e Emily O’Sullivan.

Republique nossos artigos gratuitamente, online ou impressos, sob uma licença Creative Commons.

Repubique este artigo


Material from GIJN’s website is generally available for republication under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International license. Images usually are published under a different license, so we advise you to use alternatives or contact us regarding permission. Here are our full terms for republication. You must credit the author, link to the original story, and name GIJN as the first publisher. For any queries or to send us a courtesy republication note, write to hello@gijn.org.

Leia em seguida

GIJC21, corruption story

Ferramentas e dicas para reportagens

Dicas para investigar governos que blindam crime e corrupção

Em uma sessão sobre corrupção em cargos de alto nível na #GIJC21, repórteres da Libéria, Ucrânia, Sudão, Rússia e Líbano sugeriu uma série de estratégias que podem ajudar a obter informações de órgãos governamentais inflexíveis, encontrar denunciantes e cobrar responsabilização de funcionários aparentemente acima da lei.

Ferramentas e dicas para reportagens

Lições da pandemia: investigando saúde e indústria farmacêutica

Durante a pandemia COVID-19, jornalistas de todo o mundo foram repentinamente lançados na área de saúde pública, tentando entender as alegações conflitantes e uma ciência que parecia mudar a cada dia. Uma sessão da #GIJC21 conduziu os repórteres através da pandemia da COVID-19, oferecendo dicas sobre como cobrir o desenvolvimento de medicamentos e os processos de aprovação, avaliar estudos científicos, investigar conflitos de interesse e expor fraudes e corrupção.

GIJC21, NYT Days of Rage documentary

Ferramentas e dicas para reportagens

Técnicas de investigação visual para reportagens

Em um painel com especialistas em investigações visuais na #GIJC21, três membros da equipe pioneira do The New York Times apresentaram uma visão interna do trabalho do time e as técnicas usadas para superar os obstáculos tradicionais de reportagem.

Segurança e proteção

Como os jornalistas podem proteger denunciantes

É vital para os jornalistas protegerem suas fontes e, em um workshop na #GIJC21, dois especialistas em segurança deram exemplos práticos de como os repórteres podem chegar às fontes de forma segura e fazê-las confiar tanto nos jornalistas, quanto em sua organização.