Configurações de Acessibilidade

Tamanho do texto

Opções de cor

Monocromático Cor suave Escuro

Ferramentas de leitura

isolamento Régua
GIJC21, Dealing with Burnout and Stress Graphic
GIJC21, Dealing with Burnout and Stress Graphic

Illustration: Kata Máthé/ Remarker

Recursos

Dicas para lidar com burnout e trauma

Leia este artigo em

English

GIJC21, Lidando com burnout e estresse

Destaques do painel “Lidando com burnout e estresse”, da Conferência de Jornalismo Investigativo Global 2021. Ilustração: Kata Máthé / Remarker

Quase todos os jornalistas lutaram contra a pandemia de COVID-19 e seus efeitos perturbadores em nossas vidas. Muitos relataram sobre o impacto do vírus enquanto enfrentavam desafios como lockdowns, risco de contágio, aumento da carga de trabalho e cansaço por conta das telas.

Da mesma forma, muitos repórteres ainda precisam lidar com situações que causam esgotamento (burnout) e trauma, como assuntos emocionalmente difíceis, violência, ameaças e imagens fortes.

Resiliência é a capacidade humana de enfrentar, se recuperar e se adaptar após adversidades, traumas, tragédias e fontes significativas de estresse, e os jornalistas podem ser particularmente bons nisso, de acordo com os especialistas do Dart Center for Journalism and Trauma, um projeto da Universidade de Columbia para conectar jornalistas, médicos e pesquisadores. A exposição ao trauma no jornalismo é maior do que na população em geral, mas as taxas de transtorno de estresse pós-traumático (PTSD, na sigla em inglês) são comparativamente baixas. No entanto, o dano psicológico pode ser claramente prejudicial para os jornalistas quando acontece.

Durante um painel na 12ª Conferência de Jornalismo Investigativo Global (#GIJC21), Bruce Shapiro, diretor executivo do Dart Center, e Elana Newman, diretora de pesquisa da mesma instituição e professora de psicologia da Universidade de Tulsa, ofereceram dicas práticas sobre como identificar esgotamento e trauma, e para fortalecer a resiliência dos repórteres.

“Essas estratégias de enfrentamento não substituem a saúde mental”, alerta Newman. “Esta é mais uma apresentação de psicoeducação, onde iremos ajudá-lo a compreender um pouco do estresse que você pode estar enfrentando e algumas habilidades imediatas que podem ajudá-lo a perceber os níveis de estresse e, em seguida, reagir a eles”.

Identificando burnout e trauma

Enquanto o estresse é uma reação normal que não pode ser eliminada e pode até ser benéfica em pequenas doses, o esgotamento (burnout) é uma resposta ao estresse laboral crônico ou resultado de estresse laboral não controlado. Pode surgir quando o estresse é persistente e há uma incapacidade de se ajustar ou interromper a resposta  a ele.

Trauma envolve experimentar ou testemunhar uma ameaça à vida, lesão grave ou violência sexual. Alguns dos sinais de trauma são semelhantes aos do PTSD. “O trauma tem um perfil biológico ligeiramente diferente [do esgotamento], mas o ponto comum de ambos é que o trauma e o estresse são experiências biopsicossociais e têm um impacto em sua fisiologia, seu psicológico e suas interações sociais”, explica Newman.

A seguir estão sinais de reações de estresse ao burnout/trauma divididos em suas manifestações biológicas, psicológicas e sociais:

 

FISIO 

 

PSICO

 

SOCIAL

Fadiga, problemas para dormir Tristeza, desespero, angústia Isolamento
Problema para se concentrar Ansiedade/medo do futuro Irritabilidade/raiva
Agitação, sensação de nervosismo Visão alterada sobre o mundo Desistir 
Dificuldade para respirar Pensamentos e imagens perturbadoras Sentir-se incompreendido
Dor de cabeça, dores no corpo, desconforto no estômago Pavor/sensação de mau presságio Sentir-se solitário
Sentir-se desorientado, desconectado Auto sabotagem Ansioso com o contato com outras pessoas

Lidando com burnout e trauma

As ferramentas e estratégias para lidar com o burnout e o trauma podem ser divididas de acordo com os três domínios biopsicossociais, e cada indivíduo pode decidir quais ferramentas funcionam melhor e quais não.

A primeira técnica envolve aumentar a autoconsciência e examinar cada domínio: O que você está percebendo em seu corpo?  O que você está percebendo em sua mente? E o que você está percebendo interpessoalmente? Identifique em quais domínios os sinais de esgotamento ou estresse podem estar presentes.

Newman e Shapiro citam várias técnicas de enfrentamento:

Técnicas físicas
  • Respire. Quando estamos estressados, esquecemos de respirar, e uma ferramenta poderosa para reduzir o estresse pode ser respirar fundo e lentamente várias vezes.
  • Coloque os pés no chão e sinta-se conectado a ele.
  • Faça pequenas pausas a cada hora.
  • Alongue e relaxe os músculos tensos.
  • Dê uma caminhada e faça exercícios regularmente.
  • Se possível, tire uma soneca revigorante.
  • Distraia-se com algo que te deixe muito entretido.
Técnicas Psicológicas
  • Esteja ciente de seus pensamentos e do que você está dizendo a si mesmo, e identifique pensamentos negativos ou pessimistas.
  • Concentre seus pensamentos nas coisas que estão indo bem.
  • Carregue seu telefone com fotos que inspiram você.
  • Ouça uma música que te deixe feliz por três minutos.
  • Pense em algo engraçado.
  • Imagine algo lindo, como uma cena ou paisagem, ou um lugar seguro em sua mente.
  • Conte algo, como o número de objetos vermelhos em sua sala.
  • Invoque equipamentos de proteção visual, como imaginar um cinto de segurança mental ou um escudo invisível através do qual suas pressões são desviadas.
  • Escreva em um diário.
  • Esteja ciente de suas vulnerabilidades.
  • Esteja ciente de seus pontos fortes.
Técnicas sociais
  • Faça uma ligação rápida ou escreva uma mensagem de texto para um amigo.
  • Fale com um colega.
  • Planeje algo divertido.
  • Brinque com seus filhos ou animal de estimação.
  • Pense em quando você recebeu o apoio de um colega.
  • Dê apoio. Estender a mão para alguém que precisa de ajuda às vezes pode ser a melhor maneira de ajudar a si mesmo.

“Organizar seu envolvimento com seus colegas em uma equipe ou criar uma equipe informal de colegas com quem você pode conversar periodicamente é realmente crucial para o apoio social”, disse Shapiro. “Algumas redações criaram buddy systems [sistemas de camaradagem], e podemos fazer isso informalmente também.”

Além disso, é importante ter em mente sobre o que você tem controle e o que não tem, acrescenta ele. Se você tem controle sobre algo, aja; se não, pergunte-se o que pode fazer para melhorar sua resposta emocional. Se você tem tendência a se preocupar com as coisas, mesmo cronicamente, controle essa reação reservando uma hora por dia especificamente para se preocupar com as coisas, mas faça o esforço de não se preocupar em nenhum outro momento.

Essas ferramentas requerem prática para torná-las eficazes e, se você estiver sofrendo de sintomas graves de trauma, consulte um terapeuta. O Dart Center oferece recursos para jornalistas de todo o mundo, em vários idiomas, incluindo a Journalist Trauma Support Network, que oferece indicações e recursos, e um guia para jornalistas em busca de terapia para questões pessoais ou de trabalho.

Outros recursos

Republique nossos artigos gratuitamente, online ou impressos, sob uma licença Creative Commons.

Repubique este artigo


Material from GIJN’s website is generally available for republication under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International license. Images usually are published under a different license, so we advise you to use alternatives or contact us regarding permission. Here are our full terms for republication. You must credit the author, link to the original story, and name GIJN as the first publisher. For any queries or to send us a courtesy republication note, write to hello@gijn.org.

Leia em seguida