Configurações de Acessibilidade

Tamanho do texto

Opções de cor

Monocromático Cor suave Escuro

Ferramentas de leitura

isolamento Régua

English

usando satélites e drones

Ilustração: Kata Máthé / Remarker

Talvez a técnica investigativa mais brilhante desenvolvida este ano tenha sido o uso da própria censura para expor a rede secreta de centros de detenção na China.

Meses depois de receber o Prêmio Pulitzer – junto com dois colegas do BuzzFeed News – por sua exposição dos lugares onde cerca de um milhão de muçulmanos foram encarcerados por conta de sua fé, a arquiteta britânica Alison Killing contou aos participantes da 12ª Conferência de Jornalismo Investigativo Global (#GIJC21) como blocos censurados e em branco em imagens de satélite de plataformas controladas pelo governo, podem ser usados para revelar instalações secretas.

Uma das muitas razões que Killing deu para que a investigação dependesse de análise geoespacial foi esta: “Porque qualquer fonte com a qual você falasse poderia ser enviada para um desses campos”.

No entanto, esta foi apenas uma das várias abordagens inovadoras para analisar imagens de satélite e drones descritas na sessão “Investigações com mapeamento e imagens de satélite”, na qual três palestrantes explicaram como ferramentas de código aberto podem ser usadas para expor mentiras a partir do céu. (Veja o guia da GIJN sobre recursos de imagens de satélite aqui.)

Enquanto as prisões uigures da China estavam escondidas, os residentes da favela de Makoko, na Nigéria, por sua vez, eram invisíveis para os políticos, com toda a sua comunidade, construída em uma lagoa perto de Lagos, simplesmente não aparecendo em nenhum mapa oficial.

John Eromosele, gerente de projeto da organização de dados abertos sem fins lucrativos Code for Africa, disse que drones aéreos, ferramentas de código aberto e colaboração ativa com os residentes foram os principais ingredientes para trazer à tona esta comunidade perto de Lagos, cuja invisibilidade lhe negou serviços como eletricidade, água encanada ou mesmo nomes de ruas.

“Não trouxemos apenas conhecimentos técnicos para o projeto Mapping Mokoko; ensinamos indivíduos da comunidade como fazê-lo. Eram os habitantes locais que pilotavam os drones; que fizeram o mapeamento ”, disse Eromosele. “Acionamos uma ONG educacional local para ajudar com a adesão da comunidade, porque qualquer projeto de dados de uma comunidade deve ser centrado nas pessoas. Implantamos drones e uma equipe de solo com um kit de ferramentas de dados personalizado. ”

Claro, alguns governos ainda mentem ou tentam encobrir abusos tão grandes que não podem ser escondidos, como as gigantescas nuvens de fumaça dos incêndios que, cada vez mais, têm causado danos catastróficos à floresta amazônica do Brasil. Em 2020, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, primeiro negou a escala dos incêndios e depois culpou ONGs e comunidades indígenas por sua propagação.

Laura Kurtzberg usou dados de satélite para mostrar o desmatamento massivo na floresta amazônica. Imagem: Cortesia de Laura Kurtzberg

Na sessão da #GIJC21, Laura Kurtzberg, a responsável pelas visualizações de dados da Ambiental Media, um meio de jornalismo com base científica, explicou como o projeto colaborativo Smoke Screen usou uma análise cuidadosa de dados de satélite para provar que, de fato, o desmatamento na Amazônia por grandes proprietários de terras foi o responsável pela calamidade.

“Descobrimos que os quatro municípios com mais desmatamento em 2019 também tiveram a maioria dos incêndios florestais, e 72% dos incêndios florestais ocorreram em propriedades privadas de médio a grande porte”, disse Kurtzberg. “E o padrão continuou em 2020.”

Killing e seus colegas usaram os espaços censurados que encontraram, conhecidos por serem centros de detenção muçulmanos na plataforma chinesa Baidu Total View como marcadores para encontrar centenas de outros campos secretos.

“Ao mapear esses locais censurados e, em seguida, olhar para esses mesmos locais com outras imagens de satélite, como o Google Earth, conseguimos descobrir o que acreditamos estar muito próximo de ser a rede completa de campos em toda a China”, disse ela.

Killing também ofereceu esta dica surpreendente: que os repórteres podem encontrar soluções criativas para preencher os pontos cegos de imagens. Ela revelou que, nos locais onde o Google Earth não tinha imagens recentes de centros de detenção no sul da província de Xinjiang, a equipe encontrou imagens de baixa resolução, mas atualizadas, da área na plataforma da Agência Espacial Europeia, Sentinelhub Playground.

Alison Killing discussed how she and her reporting team at BuzzFeed exposed Chinese detention centers using censored satellite imagery. Image: Courtesy of Alison Killing

Eles então compararam os formatos das construções nessas imagens, onde objetos do tamanho de carros eram mostrados como pixels únicos, com padrões encontrados nas imagens de alta resolução do Google Earth para confirmar os campos de detenção nos dados do Sentinelhub.

E, onde não havia nenhuma opção de código aberto, Killing disse que a equipe abordou a equipe de mídia de um provedor de satélite comercial.

“Abordamos o Planet Labs, que tem um programa de mídia, e eles gentilmente nos deram acesso às suas imagens, atualizadas e de alta resolução, para locais importantes”, disse ela.

Dicas para investigar usando imagens aéreas

  • Use a versão para desktop do Google Earth, em vez da versão para navegador, para investigações complexas baseadas em satélites em que você precisa rastrear cenas ao longo do tempo.
  • Para ajudar a identificar as estruturas em imagens de satélite, procure por objetos próximos que as pessoas possam precisar para usar essas estruturas. Por exemplo, Killing revelou que estacionamentos improvisados – em estradas locais, em matagais próximos – acabou sendo um bom indicador dos centros de detenção chineses, já que as necessidades de segurança local e o ritmo rápido de construção do campo muitas vezes não incluíam estacionamentos formais. Ônibus, torres de guarda, pátios de exercícios e, perturbadoramente, grupos de pessoas fazendo fila e vestindo macacões vermelho-escuros, também foram indicadores úteis.
usando satélites e drones

A equipe do BuzzFeed usou quadros digitais em branco, como este no Baidu Total View, como pistas de onde os centros de detenção uigur estão localizados na China. Imagem: Cortesia de Alison Killing

  • Use imagens de satélite inclinadas para estimar o tamanho dos objetos. A equipe do BuzzFeed usou esses ângulos para contar os andares dos blocos de detenção, o que os ajudou a estabelecer uma capacidade total estimada de 1.014.000 presos para toda a rede de campos.
  • Teste a plataforma de mapeamento Mapbox Studio para renderizar dados de satélite. “O Mapbox é gratuito até certo ponto, mas é uma boa opção para jornalistas começarem, pois oferece muitos recursos interativos”, disse Kurtzberg. “O RStudio também é muito útil e totalmente gratuito.”
  • Use o QGIS para analisar dados geoespaciais. Segundo Kurtzberg: “QGIS é a principal ferramenta que gostaria de destacar – é totalmente de código aberto, semelhante ao ArcGIS, e é um software de desktop. Eu recomendaria isso como um ponto de partida para muitos jornalistas, já que você não só pode fazer análises com a ferramenta, como também pode criar mapas e imagens para suas histórias e trabalhar com dados vetoriais e imagens de satélite ”.
  • Inscreva-se para ter acesso gratuito a recursos avançados na ferramenta de visualização do Flourish, como o Flourish Photo Slider para mostrar fotos aéreas antes e depois. “Ferramentas como Flourish e DataWrapper podem ajudá-lo a criar visualizações de dados aéreos perfeitamente e em poucos minutos”, disse Eromosele. “É obviamente importante controlar seus gastos e, com um clique, as redações podem facilmente se inscrever para acesso gratuito a recursos premium.”
  • Considere o uso de drones para obter imagens de alta resolução e busque orientação sobre regulamentações, habilidades necessárias e custos por meio de provedores sem fins lucrativos como a AfricanDRONE. “Você pode tentar fazer parceria com a AfricanDRONE para obter uma taxa subsidiada”, disse Eromosele. “Usamos um campo de escola primária para fazer testes de campo para nossos drones e obtivemos permissão do governo local.”
  • Faça parceria com cientistas para compreender as características ambientais nas imagens. Por exemplo, a Ambiental Media fez parceria com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais e com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para o projeto Smoke Screen.
  • Experimente a ferramenta de código aberto OpenAerialMap para processar imagens de satélite e drones. “Quando você une todas as suas imagens de drones – se você deseja exportá-las para o Java OpenStreetMap – você precisa enviá-las para o OpenAerialMap, que permite exportá-las facilmente e editar,” disse Eromosele.

A moderadora da sessão, Marina Walker Guevara, editora executiva do Pulitzer Center on Crisis Reporting, disse que os principais jornalistas neste campo investigativo crescente, como os três palestrantes, “usam imagens de satélite, mapeamento e outras ferramentas digitais para desafiar a censura, expor delitos e tornar visível o que pessoas e instituições poderosas querem que fique escondido”.

Republique nossos artigos gratuitamente, online ou impressos, sob uma licença Creative Commons.

Repubique este artigo


Material from GIJN’s website is generally available for republication under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International license. Images usually are published under a different license, so we advise you to use alternatives or contact us regarding permission. Here are our full terms for republication. You must credit the author, link to the original story, and name GIJN as the first publisher. For any queries or to send us a courtesy republication note, write to hello@gijn.org.

Leia em seguida

GIJC21, corruption story

Ferramentas e dicas para reportagens

Dicas para investigar governos que blindam crime e corrupção

Em uma sessão sobre corrupção em cargos de alto nível na #GIJC21, repórteres da Libéria, Ucrânia, Sudão, Rússia e Líbano sugeriu uma série de estratégias que podem ajudar a obter informações de órgãos governamentais inflexíveis, encontrar denunciantes e cobrar responsabilização de funcionários aparentemente acima da lei.

Ferramentas e dicas para reportagens

Lições da pandemia: investigando saúde e indústria farmacêutica

Durante a pandemia COVID-19, jornalistas de todo o mundo foram repentinamente lançados na área de saúde pública, tentando entender as alegações conflitantes e uma ciência que parecia mudar a cada dia. Uma sessão da #GIJC21 conduziu os repórteres através da pandemia da COVID-19, oferecendo dicas sobre como cobrir o desenvolvimento de medicamentos e os processos de aprovação, avaliar estudos científicos, investigar conflitos de interesse e expor fraudes e corrupção.

GIJC21, NYT Days of Rage documentary

Ferramentas e dicas para reportagens

Técnicas de investigação visual para reportagens

Em um painel com especialistas em investigações visuais na #GIJC21, três membros da equipe pioneira do The New York Times apresentaram uma visão interna do trabalho do time e as técnicas usadas para superar os obstáculos tradicionais de reportagem.

Ferramentas e dicas para reportagens

Investigando o Crime Organizado: um novo guia da GIJN

Novo guia de reportagem da GIJN para investigar o crime organizado em todo o mundo, com nove capítulos divididos por temas-chaves e escritos pelos principais repórteres criminais.